Não vá sem mentoria

Para uma carreira bem sucedida, não vá sem mentoria

Autoconhecimento é uma das palavras do momento quando falamos em desenvolvimento pessoal e profissional. Mas, para dar um passo à frente, a questão que se põe é como traduzir essa habilidade emocional em competência profissional.

Para uma carreira bem sucedida, escolha uma mentoria de qualidade e otimize a sua trajetória. 

A habilidade de saber o que se quer é o primeiro passo para uma carreira bem sucedida. Ao pensarmos em pessoas com carreiras de sucesso, que nos inspiram, nos identificamos com aquelas que passam a ideia de estarem satisfeitas com suas escolhas.

Com toda a certeza, nos influenciam e inspiram pela certeza e segurança presentes em suas trajetórias.

Quem se depara com esse tipo de certeza, percebe que são pessoas que se destacam pela disposição. Elas tendem a produzir mais, em menos tempo, com mais objetividade, simplicidade, genuinidade e prazer.

Nesse sentido, percebemos que a clareza de propósito libera as decisões para o realizar, porque a intenção, o objetivo está definido.

Outras pessoas, mesmo que inteligentes, dinâmicas, pró-ativas, organizadas e dedicadas, parecem não ter a mesma satisfação, a mesma convicção quanto a suas escolhas. Ainda que realizem suas funções com excelência, o toque de genuinidade não se faz presente.

Essa ausência tende a obstruir o trajeto, pois falta afinidade com o que se faz. 

A diferença entre uma situação e outra é característica da clareza proporcionada pelo autoconhecimento. Em outras palavras, a habilidade de saber o que se quer é o que simplifica a trajetória, direcionando forças para realizar um propósito genuíno, alinhado com o que é mais autêntico em si. 

Parece simples, mas não é.

De fato, há pessoas que de alguma forma desenvolvem uma consciência maior de sua genuinidade, naturalmente. Percebemos que não há muitos desvios pelo caminho, pois logo identificam o que querem, encontram pessoas de referência, traçam sua rota e colocam seus projetos em prática.

Outras, talvez até mais desafiadoras, às vezes com uma visão peculiar e inovadora, além de habilidades múltiplas, não conseguem identificar sua genuinidade tão facilmente e não dispõem da  mesma clareza em seus projetos.

Isso acontece porque, como indivíduos, crescemos e nos desenvolvemos sob muitas influências. Nem sempre vivenciamos ambientes e experiências que nos proporcionam  precisão ao definir o que queremos.

Mas é um treino, podemos desenvolver, mesmo quem tem uma consciência mais apurada de si.

Autoconhecimento é treino

A mentoria entra nesse momento. Para os mais conscientes, atua no sentido de dar mais subsídios para expressar a certeza sobre as escolhas, expor em voz alta, reafirmar possibilidades e traçar uma rota que leve a resultados mais precisos.

Está bem, ‘eu tenho esse talento’, ‘eu tenho essa certeza’, ‘é por aqui que eu quero seguir’, por exemplo.

Personalidades assim, encontram na mentoria um potencializador para uma inteligência emocional que é inata, uma forma de desenvolver técnicas que aprofundem ainda mais a capacidade de auto-observação. O mentor trabalha apenas como um  guia que orienta sobre como fortalecer as competências emocionais.

Por outro lado, personalidades que carecem de clareza, encontram na mentoria um processo talvez ainda mais rico, pois algumas vezes são as multicompetências que ofuscam a visão. O mentor orienta sobre como discerni-las e busca formas de direcionar esses potenciais para a carreira.

É um trabalho que ajuda a  organizar o conhecimento e auxilia em na ideintificação do que é mais genuíno em si.

De qualquer forma, esses são apenas exemplos dentro uma vasta gama de perfis comportamentais. O importante é entender que um profissional qualificado,  que oriente o caminho do autoconhecimento, traz assertividade, desenvolvimento e aperfeiçoamento para a carreira, independente da personalidade e do perfil profissional de quem busca essa consciência.

Desta forma, a mentoria contribui no processo de identificar e empregar as demais habilidades, como autogestão, empatia e habilidades sociais e as transforma em competências emocionais para uma boa atuação profissional, além de uma carreira genuína e autêntica.

Mas isso não é apenas um trabalho individual, é também um trabalho coletivo. 

Autoconhecimento e mentoria na organização

Na prática, o movimento do autoconhecimento e desenvolvimento de competências emocionais têm outra ponta: a organização. 

De um lado, o profissional que investe em autoconhecimento tem mais possibilidade de dar vazão a essas habilidades quando atua em uma cultura organizacional emocionalmente madura, ao menos disposta a formar equipes que valorizem tais habilidades.

De outro lado, a empresa que busca colaboradores cientes de seus processos precisa de meios para identificar esses profissionais.

Nesse sentido, a mentoria organizacional é responsável criar meios de reconhecer perfis alinhados com os propósitos da empresa, motivando o desenvolvimento de tais competências e investindo na cultura emocional da organização.

O desafio da gestão de pessoas passa a ser encontrar, contratar, treinar e conectar colaboradores.

Isso quer dizer que a efetividade da gestão está na formação de equipes emocionalmente competentes. A gestão de pessoas deve ser capaz de identificar profissionais com tais habilidades.

Em suma, a organização precisa da mesma clareza que deseja em seus colaboradores, buscando entender o que é genuíno e autêntico nela para saber identificar o que precisa e, assim, encontrar profissionais afinados com seus propósitos.

Na psicologia organizacional, essa seleção se faz através da identificação de perfis comportamentais.

A clareza do autoconhecimento

Isso posto, concluímos que, de ambas as partes, quando falamos em mentoria e autoconhecimento, profissionais e empresas devem buscar clareza para obter mais sucesso e assertividade em suas escolhas.

A clareza de propósitos simplifica os processos e traz mais disposição e genuinidade para os colaboradores, equipes e organizações. O ato de realizar fica mais fácil porque a noção de genuinidade, autenticidade e autoconhecimento estão presentes.

Mentoria e autoconhecimento são parte do processo de construção profissional, seja individualmente ou nas organizações. Para formar equipes emocionalmente inteligentes é preciso saber como.