Perfil da estabilidade como tendência de comportamento

Perfil da estabilidade como tendência de comportamento

O perfil comportamental da estabilidade é o da estrutura.

Na teoria DISC, as tendências de comportamento são divididas em 4 dimensões: perfil da dominância, perfil da influência, perfil da estabilidade e perfil da conformidade.

Nesse artigo, vamos falar sobre essa tendência que é responsável por nos dar estrutura,  a da estabilidade. 

Mantenha o curso!

Essa tendência é aquele nosso lado que persiste. É a dimensão de comportamento que se manifesta toda vez que exercitamos a permanência. 

Sabe aquela nossa atitude mais paciente que procura encontrar soluções para manter a continuidade das coisas? 

É o nosso perfil da estabilidade em ação.

A linha dessa turma é a do aperfeiçoamento e da constância. As pessoas com predominância desse perfil têm facilidade em manter rotinas estabelecidas. Gostam de seguir a receita e manter a estrutura. Se for preciso, sabem bem como ajustar o curso, com mudanças sutis, sem grandes reviravoltas e um toque de prudência.

As pessoas da estabilidade gostam disso, de dar continuidade, e para isso apoiam e buscam apoio dos demais.

Muitos de nós temos esses traços, pois somos composições de perfis, com predominância para uma tendência ou outra. Mas é interessante perguntar, nesse nosso dia a dia tão instável, onde anda a estabilidade?.

Você cultiva esses traços?

Pense nas vezes em que tenta criar estruturas, processos  e dar continuidade a seus propósitos e projetos.É a nossa estabilidade chamando. Podemos dizer que esse é o perfil do longo prazo!

Simples não é, já que vivemos no mundo do ‘tudo para ontem’!

Então, como se faz, perfil da estabilidade?

Seja prudente! 

As pessoas com predominância da estabilidade tem uma prudência nata. Elas vão repetindo os processos com constância, garantindo que se repitam e evitando desgastes com   mudanças.  

‘Afinal, agora que está tudo funcionando, por que mudar?’ 

Nem pensar, dirá a estabilidade!

Essa turma quer processos que perdurem. Enquanto muitos desistem ou mudam o jeito de fazer as coisas, o perfil da estabilidade se mantém, cumprindo as rotinas.

Assim, acabam por chegar onde a maioria não chega, pela insistência  e repetição.

Elas vão criando pequenas estruturas para solidificar seus hábitos. Não importa se demanda mais tempo e/ou energia extra, importa concluir e permanecer. O prazer da estabilidade está nisso, em dar continuidade ao que deram início. 

Profissionais com esse perfil são cada vez mais valorizados no mercado de trabalho. Com certeza a demanda por agilidade é grande, mas cada vez mais se vê  que sem resiliência rodamos em círculos. 

Sem a praticidade da estabilidade, gastamos energia onde não precisa. Com efeito, precisamos dos meios fáceis, que simplifiquem nosso dia a dia e nos deem solidez.

Por isso, a tendência da estabilidade também está bastante associada às características de liderança. Por essa facilidade de convívio. Sua atitude conciliadora e democrática, resultado de suas ações contínuas e senso de segurança, os/as legitimam em cargos de comando, muitas vezes muito mais pelo reconhecimento da equipe do que de si mesmos. 

Afinal, assumir uma liderança é um processo de mudança, e isso não é muito bem vindo na estabilidade. 

Sério! Mudar por quê?

Como todo outro perfil, a estabilidade tem seus excessos!

Nesse caso, é a imensa resistência às mudanças. Muitas vezes, dizem aceitar, mas fazem de tudo para se manterem na sua continuidade. Com a habilidade que têm de ir contornando as situações, podem comprometer novos projetos, mantendo o mesmo ritmo, sem perder o jeito manso..

Aliás, vão fazer você se sentir tão seguro/a, com seu jeito agradável, amigável e pacifista que você nem vai perceber que está sendo conduzindo/a pelos caminhos que escolheram. 

Mais que isso,  pela sua capacidade costumeira de repetir os processos, você provavelmente vai depender da vontade de mudar dessas pessoas, pois é provável que tenha alguém com esse perfil fazendo isso para você.

E se a mudança bater à porta de uma hora para a outra, você vai precisar de tempo, dedicação para convencer e engajar essa turma em seus projetos. Não vai ser na base do ‘papo reto’, de jeito nenhum, será necessário criar meios de atravessar a mudança com segurança.

A mesma tenacidade que empregam em manter a segurança, será necessária quando for necessário mudar. Anote aí: necessário, pois é apenas nesse momento que a estabilidade pensa em se mover.

Agora é que são elas

Mas pensando bem, quem não quer o conforto da estabilidade?

Mesmo as pessoas mais aventureiras tem uma boa parcela do perfil da estabilidade. As rotinas precisam ser muito bem treinadas e os equipamentos estarem em perfeitas condições.

Essa é a sensação que a tendência da estabilidade traz, de que podemos alçar voo porque a base está bem estruturada. Tem a ver com a sensação de confiança que sentimos quando as rotinas estão fluidas e podemos dar vazão a outras habilidades, no aconchego do equilíbrio,  da  serenidade e do pertencimento. 

Esse é o caminho para sair do estado de emergência e aderir ao da permanência.

Mas sem esquecer, se ficarmos muito tempo no mesmo lugar, nos tornamos  obsoletos ou perdemos a mobilidade. Por outro lado,  se não criamos uma base, andamos em círculos. 

A chave é desenvolver os traços desse perfil, é aprender a cultivar e ter a paciência de continuar, além de empregar essa flexibilidade e resiliência também em direção ao novo. 

Então, o que você acha?

Vamos cultivar esse equilíbrio?